PREFEITURA MUNICIPAL DE VARGINHA/MG

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PROJETO INVESTIGATIV

PARTE I – SOBRE O PROJETO INVESTIGATIVO...TEORIZANDO O QUE PRECISAMOS SABER

 

Mas, o que é um projeto investigativo?

 

  1. O projeto investigativo é uma proposta de pesquisa.

  2. O projeto investigativo é uma forma de metodologia ativa.

  3. O projeto investigativo é uma proposta de iniciação científica.

 

PESQUISA é a busca ou procura de uma resposta ou de soluções.

METODOLOGIA ATIVA = práxis

Práxis = conexão entre teoria e prática (intermediada pela reflexão).

            A práxis, efetivada por meio da proposta de metodologias ativas no ensino, é sinônimo de atividades transformadores e reflexivas, e que vem desempenhando um papel de transformação do homem, enquanto sujeito ‘aprendente’, por meio da educação, habilitando-o a atuar conscientemente e criticamente no contexto que está inserido, a partir do conhecimento produzido (VÁSQUEZ, 1977).

           O que se espera é que o aluno seja estimulado e tenha interesse pela pesquisa, exerça a capacidade de reflexão e de descoberta do conhecimento por meio do estudo, fomentando o senso de responsabilidade e o envolvimento no processo ensino-aprendizagem, resultando em um maior aprendizado (FERNANDES et al. 2011).

           Ensinar sempre exigirá dupla responsabilidade: a do professor – que proporciona condições para que o aluno seja inserido na construção do conhecimento e; a do aluno – em demonstrar vontade e iniciativa de contribuir para que essa construção seja realizada (VERDUM, 2013).

  Nas metodologias ativas de aprendizagem, o aprendizado se dá a partir de problemas e situações reais (MORAN, 2015).

           A proposta e metodologias ativas traz o estudante ao centro das discussões, à participação de aquisição de conhecimentos mediados, construídos sob estímulo e motivação, respeitando o direito ao erro, mas ao mesmo passo, aproveitando as fragilidades para a maturação das experiências (MELO; SANT’ANA, 2012).

Um projeto investigativo, como uma proposta de INICIAÇÃO CIENTÍFICA, tem como principais objetivos: A BUSCA e A DIFUSÃO do CONHECIMENTO.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Trajetórias criativas: jovens de 15 a 17 anos no ensino fundamental – uma proposta metodológica que promove autoria, criação, protagonismo e autonomia. Caderno 7: iniciação científica. [DUTRA, Italo Modesto, et al.]. Brasília: Ministério da Educação, 2014.

 

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum. Brasília, DF: MEC/SEF, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: 28 de jun. 2018.

MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, Carlos Alberto; MORALES, Ofelia (orgs.). Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. São Paulo: Editora PROEX/UEPG, 2015.

 

PLATAFORMA AGENDA 2030. Objetivo 4 – Educação de Qualidade. 2018c. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Disponível em: <http://www.agenda2030.org.br/ods/4/>. Acesso em 28 de jun. 2018.

 

SCHUNEMANN, Daniela da Rosa. Uma Proposta Pedagógica de Conscientização Ambiental na Educação Infantil. 2010. 54f. Monografia. (Programa de Pós-graduação em Educação Ambiental) – Faculdade Santa Maria, Santa Maria, 2010. Disponível em: <https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/381/Schunemann_Daniela_da_Rosa.pdf?sequence=1>. Acesso em 28 de jun. 2018.

 

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

 

VERDUM, P. Prática Pedagógica: o que é? O que envolve? Revista Educação por Escrito, PUCRS, Pelotas, v. 4, n. 1, p. 51-58, jul. 2013.